Live Evil
NEUROSIS - Carioca Club (SP)
Live Evil
GORGOROTH - Hangar 110 (SP)
Live Evil
HAMMERFALL – Fortaleza/CE
Live Evil
HAMMERFALL - Carioca Club (SP)
Live Evil
DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL
Live Evil
DELAIN - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Carioca Club (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Circo Voador (RJ)
Live Evil
SATYRICON - Fabrique (SP)
Live Evil
ACCEPT - Teatro Rival (RJ)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
14 de Dezembro 2017
RSS

09/10/2017
11:07 Live Evil



FENRIR’S SCAR
Fundação Jürgensen - Campinas/SP
7 de outubro de 2017
Por Pedro Sampietri / Fotos: Cristina Mochetti

O palco do teatro da Fundação Jürgensen, em Campinas, ficou pequeno para a Fenrir’s Scar, mais nova banda brasileira de metal. Não só pelo fato de contar com sete integrantes, mas principalmente por ter apresentado um show de gente grande. Pontualmente às 20h, subiram ao palco Desireé Rezende (vocais), André Baida (vocais), Vinicius Prado (guitarra), Paulo “Khronny” Victor (guitarra), Gabriel Rezende (baixo), Graziely Maria (teclados e sintetizadores) e Ildécio Santos (bateria) para apresentar ao público o seu primeiro álbum também chamado Fenrir’s Scar.



Antes de presentear a audiência com seus dez petardos autorais na exata sequencia do disco, André pediu desculpas por ter que “gritar” – entretanto, o que se apresentou foi um excelente contraste entre sua voz gutural e as melodias cantadas brilhantemente por Desireé. Fearless Hear, música que deu início ao show, é um tema em que André lança mão de uma voz também melodiosa, fazendo com que esse contraste fosse extremamente agradável e responsável por cativar a plateia logo de início.



Beneath the Skin, primeiro single da banda, conseguiu manter o público atento,e alguns até mesmo arriscaram cantar o refrão de fácil assimilação. Aqui, André começou a “gritaria” à qual tinha se desculpado antes, mas o fez de maneira tão bem executada que de forma alguma se tornou algo desagradável. O show seguiu com Stolen Innocence, que demonstrou ser uma excelente música para ser apresentada ao vivo. A alternância entre as duas vozes de André (gutural e melódica) conseguiu transmitir todo o sentimento presente na letra escrita por Desireé. Aqui também se destacaram as guitarras de Vinicius e Paulo e o piano de Graziely, mostrando o potencial da banda. Asleep serviu para o público respirar e curtir uma bela balada com outro interessante dueto entre André e Desireé. A seguir, as mulheres da banda pediram passagem para apresentar a belíssima Keep You Close to My Heart, dueto voz e piano que, além de servir como descanso para o resto dos músicos, também mostrou a categoria de Graziely em um piano de cauda e evidenciar ainda mais as belas melodias que Desireé consegue entregar.



From Porcelain to Ivory, apresentou mais um belo dueto vocal, fazendo com que o refrão, já grudento em sua essência, ficasse ainda mais marcado na cabeça dos expectadores que, com certeza, saíram cantarolando a melodia na volta para casa. Aqui também vale destacar a interação do baixista Gabriel com a banda e com o público. Apesar do pouco espaço físico do palco, ele se desdobrou para entregar uma performance contagiante e segura. Caliban – inspirada na versão de “Penny Dreadful” do monstro de Frankenstein –, a mais pesada da noite, conseguiu empolgar a plateia e destacar a sincronia da bateria certeira de Ildécio com o baixo extremamente competente de Gabriel. Com sua levada mais hard rock e refrão forte cantado por Desireé, o público, que até aqui ainda estava conhecendo e entendendo a nova banda, finalmente se deixou levar pelas notas do septeto até o final da apresentação, passando por Dark Eyes, que destacou ainda mais toda a energia e competência que o guitarrista Paulo demonstrou durante a apresentação, e Downfall, na qual Vinicius desfilou riffs para todos os gostos.



A cartada final veio com Fenrir’s Last Howl, outro dueto de voz e piano, só que desta vez a cargo de André e contando com a participação especial no piano de Fabiano Negri (produtor do disco e do show). Apesar do visível cansaço, André conseguiu entregar uma nova e elegante versão, mais ‘soft’, da canção que ele já havia lançado com seu projeto anterior, o CounterParts.

Ainda houve tempo para apresentarem alguns covers de bandas que os influenciaram e presentear ainda mais a plateia com excelentes performances de Bring Me to Life (Evanescence), Coma White (Marilyn Manson), Intoxicated (Lacuna Coil), Spellbound (Lacuna Coil), Zombie (Cranberries), Wish I Had an Angel (Nightwish), Shudder Before the Beautiful (Nightwish) e What Have You Done (Within Temptation).



No final da noite, a Fenrir’s Scar saiu de cena com a certeza de ter sido responsável por um belíssimo show, cheio de energia e com entusiasmo na medida certa para uma banda que agora precisa conquistar seu espaço. Carisma, qualidade técnica, excelentes músicos e belas canções não faltam. É um ‘must see’ para quem gosta de boa música e gente nova na cena musical.

Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768