Live Evil
NEUROSIS - Carioca Club (SP)
Live Evil
GORGOROTH - Hangar 110 (SP)
Live Evil
HAMMERFALL – Fortaleza/CE
Live Evil
HAMMERFALL - Carioca Club (SP)
Live Evil
DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL
Live Evil
DELAIN - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Carioca Club (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Circo Voador (RJ)
Live Evil
SATYRICON - Fabrique (SP)
Live Evil
ACCEPT - Teatro Rival (RJ)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
17 de Dezembro 2017
RSS

07/08/2017
07:40 Live Evil



BR METAL - Brothers and Sister of Metal
SINAYA / FIRE STRIKE / VANDROYA / PANNDORA
Gillan’s Inn - São Paulo/SP
05 de agosto de 2017
Por Edu Lawless

Trilhando uma árdua estrada dentro do cenário do heavy metal nacional, o projeto BMU conquistou mais uma etapa no último sábado, 5 de agosto, com a realização de mais uma edição do BR Metal Festival. Com um propósito diferenciado, o festival foi totalmente dedicado a levar ao palco do já tradicional pub Gillan’s Inn, uma noite especial contando com bandas integradas e regidas por mulheres à sua frente. O resultado obviamente foi uma noite de grandes apresentações e performances incríveis e o um profundo questionamento sobre o quanto precisamos ter mais bandas femininas despontando ainda mais no cenário do metal brasileiro.



Com o cronograma de apresentação praticamente dentro do previsto, e o público chegando cada vez mais, a primeira apresentação da noite veio com a banda Sinaya, banda paulistana de death metal que vem cada vez mais ganhando notoriedade no cenário underground trilhando o mesmo caminho de sucesso ao qual levou a banda Nervosa ser conhecida mundo afora. Tendo em sua formação somente mulheres, a vocalista e guitarrista Mylena Monaco declarou ser muito positiva a iniciativa do projeto em trazer bandas femininas, inclusive de fora da capital, para que o público um pouco machista venha também conhecer bandas formadas por mulher, deixando de lado o preconceito sobre este aspecto. A ótima sequência de shows realizado pela banda nos últimos meses, são apenas o prelúdio para o lançamento do seu primeiro álbum, "Maze of Madness", que está previsto para outubro.



A segunda banda a subir ao palco nos colocou em uma cápsula do tempo, levando-nos diretamente para os anos 80, não apenas em questão sonora mas também visualmente, o que simplesmente é brilhante. Como eu já havia ouvido de especialistas, uma apresentação não se limita apenas a subir ao palco e tocar, mas sim dar um espetáculo para o público ver e ouvir. Nestes quesitos o Fire Strike conquistou notas máximas em todos eles. Liderados pelo potentes vocais de Aline Strike, e que nos remete imediatamente a um das maiores vocalistas do hard’n’heavy, Doro Pesch - que se pode dizer uma louvável e admirável comparação – a apresentação do Fire Strike marcou o show de lançamento do álbum "Slaves of Fate". Segundo a vocalista Aline, apesar do relativo preconceito que ainda resiste no meio do metal para com as bandas femininas ou lideradas por mulheres, o cenário tem mudado bastante nos dias atuais e sua aceitação ganhando cada vez mais espaço, e o evento vem dessa forma mostrar essa consolidação a garra feminina na cena do metal.



Dois fatores marcariam a terceira apresentação da noite. Além do lançamento do segundo álbum da carreira, "Beyond the Human Mind", o show também foi a primeira apresentação da banda Vandroya na capital paulistana. Liderada por Daisa Munhoz no vocal, a banda do interior de São Paulo também trouxe novidades da sua formação com Sergio Pusep e Gustavo Oseliero assumindo as guitarras da banda. "O show de hoje teve várias sensações ao mesmo tempo, uma mistura de nervosismo com ansiedade e muita vontade de estar aqui. A Vandroya completou 16 anos e acabou de lançar o novo álbum e nós nunca havíamos tocado em São Paulo. Já havíamos tocado em Santo André, mas nunca na capital... é algo que não dá para explicar, nós estávamos precisando disso, e ver a galera gritar o nome da banda e cantar as músicas junto, foi realmente foda!", declarou Daisa ao final do show. E, no palco, foi exatamente essa a vibração que a banda mostrou, com os novos integrantes já bem entrosados e fazendo um som de encher os ouvidos.



O encerramento da noite ficou a encargo da banda paranaense Panndora em seu último show da tour do álbum "The Heretic’s Box". A banda deu seu melhor, principalmente para superar as adversidades da ausência de uma de suas guitarristas, Rebeca Rastelli, que, por problemas particulares, de última hora não pôde viajar com a banda para São Paulo. Muitos fãs aguardaram ansiosos para ver a banda que havia feito sua última passagem pela capital paulistana em 2014. Segundo a única integrante remanescente da formação original da banda, a baterista Adrismith, foi uma grande honra para a banda ter sido convidada a fazer parte do renomado projeto BMU. Ainda segundo ela, as bandas femininas deveriam ser inseridas mais aos eventos deste porte. “É muito importante para a Panndora poder estar tocando em São Paulo, pois é uma grande vitrine para muitas bandas de outros estados”, concluiu a baixista Taíse.

Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768