Promoção imperdível: tênis Urbann Boards e Roadie Crew

Live Evil
SETFIRE FEST - Mauá (SP)
Live Evil
KORZUS - SESC Santo André
Live Evil
MADBALL - Tropical Butantã (SP)
Live Evil
BUSIC - Campinas (SP)
Live Evil
VIPER DAY - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
WOSLOM / DIVIDE - Espaço Som (SP)
Live Evil
THE ATOMIC BITCHWAX - Clash Club (SP)
Live Evil
KING BIRD / ATTRACTHA / KING OF BONES (SP)
Live Evil
GRAVE DIGGER - Carioca Club (SP)
Live Evil
BORKNAGAR - Teatro Odisseia (RJ)
Próxima
Qual banda do cast do Maximus Festival você mais quer ver?
Linkin Park
Prophets of Rage
Slayer
Rob Zombie
Ghost
Five Finger Death Punch
Hatebreed
Böhse Onkelz
Red Fang
Pennywise
Nem Liminha Ouviu
Rise Against
Dead Fish
The Flatliners
Oitão
25 de Abril 2017
RSS

13/02/2017
18:25 Live Evil



MX
SESC Santo André - Santo André/SP
11 de fevereiro de 2017
Por João Messias Jr. / Fotos: Edu Guimarães
 
Muito mais que um show, mas uma celebração a um dos períodos de ouro do Thrash Metal nacional. Sim, o fim dos anos 80 e o início dos 90, época que  começava um novo período do estilo. Trabalhos que embora mantivessem o clima visceral dos primórdios eram mais elaborados e melhor produzidos. Exemplos não faltam, Sepultura, Taurus, Dorsal, Leviaethan e, claro, o MX. Criado em 1985, tem como clássicos definitivos os álbuns "Simoniacal" e "Mental Slavery", além da emblemática coletânea "Headthrashers Live", ao lado de bandas como Blasphemer, Cova e Necromancia, que completou três décadas de vida em 2017.


 
Os números cheios não ficam apenas no parágrafo acima. Após duas décadas sem tocar em sua cidade natal, Santo André, o grupo, hoje contando com Alexandre Morto (baixo, guitarra e vocal), Dumbo (guitarra, baixo e vocal), Décio Jr. (guitarra) e Alexandre Cunha (vocal e bateria) interromperam esse hiato com uma apresentação digna da história do grupo: num local de fácil acesso, com estrutura e preço justo. Atitude refletida num ótimo público que compareceu. Era possível ver gente de bandas como Woslom, Blackning, Montanha, Trevas e Prophetic Age, além de muitos fãs das antigas que sempre compareceram aos shows. Previsto para as 20h, o show teve início dez minutos depois. Com um belo cenário de fundo que privilegia todos os trabalhos do grupo, em especial os primeiros álbuns, a boa impressão se confirmou quando mandaram "Mental Slavery". O que se via tanto nas arquibancadas como na área de pit eram pessoas emocionadas, que vibravam a cada som executado durante a apresentação.


 
"Fighting for the Bastards" foi um dos pontos altos do set. Embora tenha mais de duas décadas de vida, sua letra continua atual e seu refrão era bradado por todos a cada comando do grupo, que fez com que suas músicas sobrevivessem ao teste do tempo. Continuam com a mesma essência, porém melhor executadas, sem serem “bonitinhas”.
 
Voltando ao show, era clássico atrás de clássico sendo executado, como "Behind his Glasses" e suas palhetadas precisas; "Torment", do álbum "Again"; e No Violence, dona de uma levada Hardcore irresistível.


 
Uma pequena pausa e uma agradável surpresa com uma versão para "Metal Church" (Metal Church), que logo abriu espaço para a visceral "I’ll be Alive" e a nova "Keep Yourself Alive", que mantém o peso e a pegada característica da banda. "The Guf", dona de momentos trabalhados, pesados, além de dedilhados no melhor estilo Bay Area, antecedeu "I’ll Bring You With Me", o momento mais belo do set. Dona de melodias irresistíveis e muito peso, é uma das canções mais diferentes (e legais) do quarteto.


 
As luzes se apagam e a linha de cordas deixa o palco por alguns instantes. Retornando, agora com Morto na guitarra e Dumbo no baixo, mandam "Jason" e a impagável "Dirty Bitch", que encerraria a apresentação. Encerraria, pois ainda tinha tempo para mais. Com Dumbo na bateria, Morto no baixo, Décio na guitarra e Alexandre na frente do palco nos vocais, mandaram "Ace of Spades" (Motörhead), que encerrou essa celebração do Thrash Metal no ABC paulista.


 
A única ressalva ficou por conta do som. Embora nítido para quem estava na parte inferior, soava alto e estridente para quem optou por assistir na parte de cima da plateia, algo que a casa deve rever para as futuras apresentações. Porém, isto não tirou o brilho desta noite histórica que saciou os fãs de Thrash Metal. A noite foi repleta de clássicos, apesar de ter sempre aquela que faltou, como "Inquisition", mas quem sabe a gente vê numa próxima. E que não levem mais vinte anos para tocarem em sua cidade natal novamente.



Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768