Live Evil
ZAKK SABBATH - Circo Voador (RJ)
Live Evil
SATYRICON - Fabrique (SP)
Live Evil
ACCEPT - Teatro Rival (RJ)
Live Evil
DE LA TIERRA - Tropical Butantã (SP)
Live Evil
MEGADETH - Vivo Rio (RJ)
Live Evil
HELLOWEEN - Porto Alegre (RS)
Live Evil
DROPKICK MURPHYS / BOOZE & GLORY (SP)
Live Evil
VENOM / VULCANO (SP)
Live Evil
IN FLAMES - Via Marquês (SP)
Live Evil
IN FLAMES - Circo Voador (RJ)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
21 de Novembro 2017
RSS

23/01/2017
19:25 Live Evil



MADE IN BRAZIL
SESC Pompeia - São Paulo (SP)
21 de janeiro de 2016
Por Antonio Carlos Monteiro / Fotos: Cristina Mochetti
 
Em 1987, quando os Rolling Stones completaram 25 anos de estrada, um repórter perguntou a Mick Jagger quanto tempo ele imaginava que a banda ainda ia durar. O vocalista deu de ombros: “Não faço ideia. Já estamos juntos há 25 anos, isso é mais do que a maior parte dos casamentos que eu conheço.” A verdade é que o grupo continua na ativa trinta anos depois desse episódio, ainda lotando estádios e soltando discos da maior relevância.

E se para muitos é motivo de espanto uma banda inglesa estar em plena forma após 55 anos de existência, o que dizer de um grupo brasileiro que comemora neste ano meio século de atividades ininterruptas? Pois então saudemos o Made In Brazil, que está completando essa marca quase inacreditável no país do pagode, do sertanejo, do funk carioca e outras formas menores de expressão musical. E a primeira celebração veio em dose dupla, nos dias 20 e 21 de janeiro, em meio à semana de chuvas mais torrenciais no ano até então, no emblemático SESC Pompeia, que fica no bairro de onde o Made surgiu e que é considerado o berço do rock de São Paulo, já que muitas bandas/músicos também vieram de lá.

A despeito da chuvarada que resolveu cair nos dois dias, não foi só o público que praticamente lotou o local que compareceu para festejar o Made, como também vários músicos que fizeram parte da história da banda.



O começo não poderia ser mais apropriado com Pompeia Boogie e Oswaldo Vecchione (vocal e baixo), Celso Vecchione (guitarra), Guilherme “Ziggy” Mendonça (guitarra), Wanderley Issa (teclados), Octávio “Bangla” Lopes, Rick Vecchione (bateria), Ivani Venancio e Rubão (backing vocals) emendaram um clássico do Made atrás do outro. De cara, enfileiraram um medley com Eu Quero Mesmo É Tocar e Não Transo Mais, seguido de Jack o Estripador, Pauliceia Desvairada, Rock de Verdade e Mickey Mouse (A Gata e Eu), as duas últimas com Kim Kehl na guitarra.



O clima era de festa total e o repertório foi pensado para fazer a galera participar. Tanto que todo mundo cantou a plenos pulmões “não vou mais comprar um Rolls Royce” no refrão de Gasolina e a letra inteira de Vou Te Virar de Ponta Cabeça, as duas com Franklin Paolillo na bateria. Depois da versão de Mannish Boy (Muddy Waters), aqui chamada Mexa-se Boy, o backing vocal Rubão assumiu o violão e a voz principal para a belíssima balada Amanhã É um Novo Dia.



Outro convidado de respeito foi o veterano e pioneiro Tony Campello, um dos primeiros caras a cantar rock por aqui. Na guitarra e no vocal, Tony mandou uma versão bem pesada de um antigo sucesso seu, Lobo Mau, com Menina do Chapéu Vermelho na introdução – foi um “momento Jovem Guarda” em pleno show do Made.

Já que falamos em peso, vale dizer que a formação atual da banda se destaca justamente por colocar doses de peso muito bem-vindas no repertório, mas sem abrir mão do groove que sempre caracterizou o som do Made – e não foi diferente no SESC Pompeia. Bandas afiadas, com peso, suíngue e sangue nos olhos: isso é tudo que o rock precisa, aliás.





Um dos maiores nomes do rock brasileiro e para muitos o melhor guitarrista já surgido por aqui foi o convidado seguinte: Luiz Carlini tocou com a maestria de sempre Os Bons Tempos Voltaram e Rock de São Paulo com uma guitarra lap steel (que se toca no colo – ou em pé, mas com as cordas voltadas para cima – com slide). Nem preciso dizer que deu um show, certo?

E se faltava alguém para incendiar de vez a festa ele veio a seguir: Simbas, vocalista que fez fama no Casa das Máquinas e no Tutti Frutti, é uma daquelas figuras que desafia a lógica e a ciência. Não é mais garoto, mas se movimenta em cena e canta como se tivesse no auge de seus 20 anos. Aí o SESC veio abaixo de vez com Aquarela do Brasil e Anjo da Guarda, dois sucessos do primeiro álbum do Made, chamado simplesmente Made In Brazil e conhecido como “disco da banana”, por trazer a fruta em destaque na capa.



O último convidado foi o icônico Serguei, que ainda se aventura a subir num palco aos 83 anos de idade. Rolava Bethânia, música do repertório dele, contou com uma ajuda providencial de Ivani e Rubão nos vocais, mas isso não foi um problema. Num país sem memória como o nosso, é digno de nota e de respeito uma banda como o Made In Brazil celebrar alguém que teve um papel de tanta importância no rock nacional.

O fim da festa não podia ser outro: todo mundo no palco para cantar aquele que pode ser considerado o hino do rock brasileiro, Minha Vida É Rock’n’Roll. Aquela saidinha ‘fake’ de cena e todo mundo volta pra saideira, Uma Banda Made in Brazil. Antes, Oswaldo disse que só tocaria a última música com uma condição: todo mundo tinha que prometer estar lá na plateia daqui a cinquenta anos, quando o Made completar um século de existência.
Pode deixar, Oswaldo. A gente dá um jeito.



Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768