THERION E O MISTÉRIO DE SITRA AHRA Por Adriano Camargo Monteiro O trabalho do grupo sueco Therion não se resume somente a boa música, já que também traz todo um plano conceitual filos&oacu..." />
 


Live Evil
NEUROSIS - Carioca Club (SP)
Live Evil
GORGOROTH - Hangar 110 (SP)
Live Evil
HAMMERFALL – Fortaleza/CE
Live Evil
HAMMERFALL - Carioca Club (SP)
Live Evil
DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL
Live Evil
DELAIN - Manifesto Bar (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Carioca Club (SP)
Live Evil
ZAKK SABBATH - Circo Voador (RJ)
Live Evil
SATYRICON - Fabrique (SP)
Live Evil
ACCEPT - Teatro Rival (RJ)
Próxima
Qual o seu álbum preferido do AC/DC?
High Voltage (Austrália)
T.N.T. (Austrália)
High Voltage (Internacional)
Dirty Deeds Done Dirt Cheap
Let There Be Rock
Powerage
Highway to Hell
Back in Black
For Those About to Rock We Salute You
Flick of the Switch
Fly on the Wall
Blow Up Your Video
The Razors Edge
Ballbreaker
Stiff Upper Lip
Black Ice
Rock or Bust
13 de Dezembro 2017
RSS

11/09/2011
11:47 Artigo: THERION

THERION E O MISTÉRIO DE SITRA AHRA

Por Adriano Camargo Monteiro 

O trabalho do grupo sueco Therion não se resume somente a boa música, já que também traz todo um plano conceitual filosófico e ocultista. Assim, sua temática é sobre ocultismo em geral e Magia Draconiana em particular, especificamente no que diz respeito à Ordem Dragon Rouge, da qual fazem parte Christofer Johnsson – criador da banda – e Thomas Karlsson – fundador da Dragon Rouge e letrista do Therion.

Neste pequeno artigo vamos buscar desvendar um pouco do que envolve o álbum Sitra Ahra e pincelar levemente outras referências que aparecem em alguns dos discos anteriores.

O álbum abre com a faixa título (o foco desta matéria), que fala sobre o outro mundo, o "Outro Lado", ou seja, Sitra Ahra (em hebraico). Mas esse Outro Lado não é simplesmente o Além, o mundo dos espíritos dos mortos, mas sim um universo primordial que antecede a existência do universo conhecido, representado pela Árvore da Vida cabalística ou Árvore Sephirótica (aquele conhecido diagrama cabalístico com dez círculos "visíveis" e um "invisível" e suas interligações). Por outro lado, Sitra Ahra tem sua representação na Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, chamada de Árvore Qliphótica (há uma referência a essa árvore também na música Lepaca Kliffoth, do álbum homônimo). É essa Árvore do Conhecimento que é mencionada na letra da música e cujo diagrama com onze círculos qliphóticos e uma concha na extremidade aparece na capa de Sitra Ahra.

Considerando-se a temática "theriônica", o leitor já deve ter percebido que Sitra Ahra é um mundo sinistro... Mas não necessariamente maléfico, como se poderia imaginar. Sitra Ahra, o "Outro Lado", o "Lado Sinistro", é o Reino das Trevas que precedem a Luz da Criação, é o Reino de Lilith, citada na letra da música como a "Rainha das Qelipot", sendo o mundo dos poderes femininos que criam, que gestam a vida na escuridão; é o útero de toda multiplicidade do universo manifestado, a fonte de toda a existência. 

Em Sitra Ahra, a "deusa" Lilith, o lado noturno ou sinistro da eterna Sofia (outros nomes correspondentes são Shekinah, Shakti, Vênus e Diana, também mencionados ao longo das obras do Therion) se une à Luz de seu filho e esposo Lúcifer por meio do fruto proibido (fruto também mencionado na letra da música) para criar e para expandir a vida múltipla em todos os planos de existência. Sitra Ahra é, portanto, o plano primevo, o caos primordial (o "pandemônio" citado na letra) que precede todos os outros planos do universo (esses planos são representados pelos círculos da Árvore da Vida pós-Sitra Ahra e pela estrela de onze pontas que também aparece em todos os álbuns do Therion desde o Theli).

Em nível humano, Sitra Ahra é reino do subconsciente no qual a sabedoria secreta (Sofia etc.) vem à consciência do indivíduo que atingiu a iluminação do Eu Superior (Daemon, ou Lúcifer, referido na música Emerald Crown, do álbum Deggial). Isso é mencionado na letra de Sitra Ahra como os "segredos revelados". Essa iluminação só é possível com a "entrada" do "Ungido" no mundo de Sitra Ahra para "resgatar" a sabedoria lá oculta nas trevas, no "Lado Noturno do Paraíso" (conforme a letra também nos diz). Quer dizer, quando Lúcifer resgata sua esposa Lilith (Diana, Sofia, Shekinah etc.) lá no "Outro Lado", em Sitra Ahra.

Mas o que é ser "ungido", no contexto da Magia Draconiana que permeia o Therion? "Ungido" é todo aquele que desperta o Dragão-Serpente de Sabedoria, Leviathan, Kundalini, Theli, este último também referido no álbum de mesmo nome. Esse Dragão serpentino é a energia psicossexual que sobe até a cabeça e ilumina com Sabedoria a consciência, despertando o Logos Draconiano (a "voz da serpente", conforme nos diz novamente a letra de Sitra Ahra). A unção serpentina e draconiana então purifica o corpo de Adam Belial, ou seja, o corpo do ser humano encarnado se transforma física e fisiologicamente. Assim, o indivíduo se transforma no iniciado, torna-se Ophis-Christos, Nachash-Messiah, ou, em outras palavras, "Serpente Ungida" – do grego/hebraico ophis/nachash ("serpente") e christos/messiah ("ungido"). A Serpente Ungida é, portanto, o Dragão (Vovin, em língua enochiana, novamente referido em outro álbum do Therion). O iniciado então se converte no filho e amante de Sofia-Lilith, o verdadeiro Filósofo, Amante da Sabedoria (a Perennial Sophia do álbum Gothic Kabbalah).

Pelo que precede, o leitor pode supor então que Sitra Ahra é também o reino da Besta (To Mega Therion, outra música da banda), filho e consorte de Sofia. É a Besta iniciadora, o Dragão mestre dos Mistérios das Trevas, Trevas onde a Sabedoria está oculta. Em Sitra Ahra o conhecimento "proibido" e inacessível (o "fruto proibido" da música Sitra Ahra) pode ser buscado e é onde a Árvore do Conhecimento cresce. Simbolicamente, é essa árvore do Éden que possui os onze frutos pertencentes a cada um dos Reis de Edom (outra música do álbum Sitra Ahra), os reis que governam cada uma das qliphoth de Sitra Ahra sob o poder de Shekinah, ou Sofia, a Sabedoria da Serpente do Éden, ou o Dragão-Serpente Lúcifer-Vênus (Abzu-Tiamat, Samael-Lilith). Nesse ponto, é facilmente notável a aproximação linguística entre Eden e Edom, e entre os onze frutos da Árvore do Paraíso e os onze reis de Sitra Ahra, o mundo da Magia Draconiana (cujo número também é 11).

A esta altura, o leitor já pode ter tido um breve vislumbre de toda a temática abordada nas letras do Therion, que para muitos são obscuras, incompreensíveis e misteriosas... Mas saiba que a luz não é o bem absoluto e nem as trevas são o mal absoluto; essa dicotomia absurda não existe na "vida prática" da natureza e do universo. A luz somente pode ser perceptível sobre o fundo negro das trevas essenciais das quais surge a própria luz como manifestação do universo visível e da vida multifacetada em tons gradativos de luz e escuridão. E, como uma moeda, um lado não pode existir sem o "outro lado" (Sitra Ahra)...

Up the Therions!

Adriano Camargo Monteiro: escritor de Filosofia Oculta e de simbologia e mitologia comparadas, membro de diversas Ordens e um sincero apreciador de Heavy/Rock.
 
Contatos com o autor: sitraahra11@gmail.com


Roadie Crew copyrights © 2011 - All Rights Reserved - Todos os Direitos Reservados - Melhor visualizado em 1024x768